Ronaldo Ésper se torna evangélico e abandona a homossexualidade

Após anunciar que se tornou evangélico e decidiu abandonar prática homossexual estilista foi alvo de protestos pela comunidade LGBT.

23-08-2017 | Atualizada em 23/08/2017 20:15

Estilista Ronaldo Ésper.

O estilista Ronaldo Ésper, durante entrevista.

Durante uma entrevista para a Rede TV! o estilista Ronaldo Ésper afirmou que não é mais homossexual e que tomou essa decisão depois de se tornar evangélico, frequentando a Igreja Universal do Reino de Deus.

“Depois de um período de crise muito grande, parti para outra direção na minha vida. Hoje não sou mais homossexual, por força da minha vontade, porque ninguém se cura disso”, afirmou ele.

“Pelo que eu estou seguindo de fé, isso pode ser um monte de coisas, até uma maldição e um encosto”, declarou o estilista é muito conhecido na TV brasileira por participar de programas onde ele opina sobre os looks dos artistas ou por mostrar tendências.

Em entrevista à Daniela Albuquerque, apresentadora do programa “Sensacional”, ele contou que está feliz em frequentar a Igreja Universal e que se converteu após passar por um período de quase suicídio. “Estou muito feliz de estar lá. Há alguns anos eu estava à beira do suicídio, se não tivesse sido acolhido da forma que fui, teria me matado”.

Ele aproveitou o momento para pedir perdão pelo seu passado. “É uma infelicidade, é muito duro”, disse ele sobre ser homossexual. Uma das partes da entrevista que mais recebeu críticas foi a fala do estilista de 72 anos sobre não querer ter um filho gay, pois ele se sente muito solitário. “Nunca sofri discriminação, mas vejo agora na minha idade, o que eu sou? Um homem solitário e mais nada. Para onde te leva isso?”, questionou.

Ele revelou também que mesmo optando por não se relacionar mais com outros homens, que ele não conseguirá deixar os trejeitos afeminados. “Outro dia um pastor me falou: ‘mas e os trejeitos?’ Eu falei: ‘pastor, os trejeitos não vai ter jeito, né?”.

Passado

“Meu passado foi perdoado”, declarou o estilista

Ao longo de sua carreira, o estilista especialista em noivas enfrentou várias polêmicas. Uma das principais foi os casos onde ele foi acusado de furtar peças de um cemitério em São Paulo.

Ao falar sobre o assunto, Ésper se justificou que os furtos foram cometidos durante um tratamento de depressão, quando ele estava tomando remédios fortes.

Ao se assumir como ex-gay, ele sabe que irá enfrentar muitas críticas, mas deixou claro que não tem medo do movimento LGBT que não acredita que um homossexual pode deixar a prática. “Ser ex-gay não é crime”, declarou.

“Não é curar o homossexualismo”, disse ele tentando explicar sua mudança de comportamento.  Ele entendeu que “tudo lhe é lícito, mas que nem tudo lhe convém” e que por isso abandonou a prática. “Mas isso é para quem é homossexual e quer sair disso, se não quiser continua”, afirmou.

Assista

SEU COMENTÁRIO