Pastor encontra diamante de US$60 milhões e doa para combater a pobreza

O pastor poderia se tornar um dos homens mais de Serra Leoa, mas preferiu ajudar seu povo que sofre com a pobreza extrema.

31-03-2017 | Atualizada em 05/04/2017 18:39

Pastor Momoh e diamante.

O pastor Momoh exibe o diamante de 60 milhões de dólares.

O que você faria se encontrasse um diamante de 706 quilates cujo valor equivale a 60 milhões de dólares? Quando encontrou a pedra em uma minha, o pastor Emmanuel Momoh não teve dúvidas: fez uma doação para combater a pobreza em seu país.

A história de Momoh tem corrido o mundo, ele trabalha em minas no país para complementar a renda e em um desses dias de trabalho conseguiu encontrar um dos maiores e mais valiosos diamantes que existe em todo mundo.

Para se ter uma ideia, a pedra encontrada na região de Kono foi a maior descoberta de diamantes desde 1972, segundo informações da agência de notícias ‘Africa Today’.

Se ele tomasse aquele bem para si, seria um dos homens mais ricos do mundo, mas o pastor não pensou nele.

A pedra foi doada ao presidente do país, Ernest Bai Koroma, com o objetivo do valor ser destinado para melhorar a vida dos mais pobres.

“Acredito que o governo possa fazer mais. Especialmente em um momento em que o país está passando por alguns desafios econômicos”, disse Momoh à Africa Today.

O pastor espera que o valor seja usado para dar acesso aos mais pobres à eletricidade e ao transporte de qualidade.

Serra Leo

Uma terra onde nasce diamantes tão valiosos sustenta todos os dias milhares de pessoas que são vítimas de uma guerra civil que devastou o país.

A aldeia de Yakadu, onde o diamante foi encontrado, é um desses povoados de extrema pobreza, atingidos pela guerra e pelo Ebola.

Enquanto a população sofre pela falta de recursos, empresas exploram as minas em buscas de diamante. Escavadeiras, dragas e bombas de água industriais são usadas no trabalho.

Mas o pastor não trabalha para essas empresas, utilizando seus conhecimentos e ferramentas simples, ele conseguiu cavar e encontrar a pedra que agora é considerada como o 13º maior diamante bruto que já foi extraído em todo o mundo.

O presidente se comprometeu em leiolar a pedra preciosa e agradeceu ao pastor por não ter contrabandeado o diamante fora do país. A atitude do religioso também será recompensada por Koroma.

Guerra

No início dos anos 2000 milhares de pessoas trabalharam em regime de trabalho escravo para encontrar diamantes, cavando na lama, com o objetivo de financiar uma rebelião montada por um sargento apoiado pela Libéria, chamado Foday Sankoh.

“A Frente Revolucionária Unida de Sankoh puniu aqueles que resistiram à escravidão, mutilando essas pessoas, arrancando ouvidos e órgãos genitais ou globos oculares. Mais de 100.000 pessoas foram mortas e dezenas de milhares foram mutiladas antes da intervenção militar da Grã-Bretanha em 2000, que virou a maré da guerra a favor do governo”.

O filme  “Blood Diamond” (“Diamante de Sangue”) relata essa trágica parte da história do país e, principalmente, dos moradores de Kono. Com informações God Reports.

SEU COMENTÁRIO