Mulher deixa de ser transexual após ter um encontro com Jesus

Depois de dez anos vivendo como um homem, Laura deixou transexualidade ao ter um encontro com Jesus e ser acolhida por grupo de oração.

11-08-2017 | Atualizada em 11/08/2017 23:23

Laura Perry antes e depois.

Laura Perry antes e depois da Transexualidade.

Laura viveu por quase dez anos como um homem e era conhecida como Jake, mas deixou de ser transexual após ter um encontro com Jesus.

Mesmo tendo sido criada em uma família cristã, Laura se afastou da igreja, e com 20 anos de idade resolveu que viveria como um transgênero.

“Eu cresci indo à igreja. Eu frequentava a Escola Dominical, fazia parte do coral infantil e muitas outras atividades. Mas faltava um relacionamento pessoal com Jesus Cristo”, disse Laura, que fazia parte da Primeira Igreja Batista de Bartlesville, nos Estados Unidos.

Conforme crescia, ela lutava contra a sua identidade sexual, pois não se sentia como uma menina, mas acreditava que deveria ter nascido um menino.

Segundo ela, os vários desafios que experimentou durante a infância acabaram causando as escolhas que ela fez na adolescência.

Quando seus pais tomaram conhecimento de que a filha havia assumido uma identidade masculina, ficaram devastados.

Sua mãe conta que mesmo recebendo apoio da igreja, se sentiu deprimida e isolada ao ver a situação da sua filha. Desesperada, Francine decidiu se aprofundar na palavra de Deus.

“Eu percebi que eu tinha uma fé mais baseada nas obras do que em Cristo, uma mentalidade legalista. Eu agia como um fariseu em muitas vezes”, reconheceu Francine.

Juntamente com o grupo de oração da igreja, Francine passou a levantar um clamor pela vida de Laura, e Deus começou a tranquilizar seu coração.

Porém, as coisas pioraram antes de melhorarem, Laura passou a se aprofundar na vida transgênera, fazendo cirurgias, uso de hormônios, e se envolvendo nos movimentos LGBT.

“Eu comprei as mentiras de Satanás, acreditando que minhas escolhas pecaminosas me deixariam feliz”, disse Laura. “No interior, fiquei miserável e procurando uma paz real”.

Aos poucos, Deus começou a abrir seus olhos para a verdade, mostrando que essa não era sua vontade para a vida dela, mas um conflito em seu interior ainda existia.

Seus pais, Francine e Paul, começaram a perceber um processo lento de mudança na vida de Laura, mas continuaram mantendo a fé.

“Era como se Deus me dissesse: ‘Se você continuar tentando consertar Laura, eu não vou consertar. Se você entregar Laura em minhas mãos, eu vou trabalhar’”, disse Francine.

Certa vez, Laura questionou a mãe: “Tudo bem se eu for à igreja?”. Francine, que era pianista na igreja, lutou com a ideia da filha ir vestida como um homem, pois ficaria envergonhada, mas ela conta que tal pensamento somente serviu para perceber o quão longe ainda estava de Cristo.

Naquele dia, para a surpresa de sua mãe, Laura tomou a decisão de abandonar sua vida de transgênero, terminar o relacionamento com seu parceiro e retornar a casa de seus pais.

“Eu não sabia o que aconteceria depois”, disse Laura. “Mas eu estava me apegando à promessa de Deus de que Ele cuidaria de mim. Experimentei tanto amor e aceitação do grupo de oração da minha mãe. Era difícil, mas nunca experimentava tanta paz e amor quanto quando voltei para a igreja”.

Em setembro do ano passado, Laura se batizou. Seus pais incentivam outros pais a nunca desistirem de seus “filhos pródigos”. Eles dão toda a glória a Deus. “Somente Deus poderia ter feito isso”, disse Francine.

Hoje, Laura abraçou completamente a sexualidade dada por Deus como mulher, e ela é ativa na igreja. “Sou prova viva de que o amor de Deus é maior que a mentira do diabo”, ela afirma.

SEU COMENTÁRIO