Manifestantes planejam protesto contra Franklin Graham no Canadá

O líder religioso está sendo criticado por apoiar o Presidente Donald Trump e dar declarações contra gays e radicalismo islâmico.

20-02-2017 | Atualizada em 21/02/2017 10:46

Billy e Franklin Graham

Billy e Franklin Graham durante evento.

O apoio de Franklin Graham ao presidente eleito Donald Trump tem rendido muitas críticas ao líder religioso, filho de um dos evangelistas mais respeitados do mundo: Billy Graham.

O descontentamento contra Franklin é tão grande que sua ida à Vancouver será marcada por protestos organizados por líderes cristãos da cidade canadense.

Com medo dos protestos, o prefeito da cidade, Gregor Robertson, se reuniu com líderes católicos e evangélicos que estão se organizando para protestar durante a visita que Graham fará no país.


Programa Teologia Para Todos faz sucesso na internet com Curso Livre de Bacharel em Teologia Online


Tudo isso por conta de seu posicionamento contra homossexuais e suas críticas sobre o radicalismo islâmico. Recentemente, segundo o site Christian Today, o filho de Billy Graham tentou justificar chamar transexuais de “estranhos” dizendo que Jesus não era muito amoroso, e que ele até chamou os fariseus de “víboras, cobras e sepulcros caiados”.

A visita de Franklin Graham ao Canadá irá acontecer entre os dias 3 e 5 de março e deve reunir mais de 25 mil pessoas. O evento é promovido por líderes religiosos como NormFunk , Wayne Lo, Sandro DiSabatino, Daniel Chung, David Koop, Cheryl Koop, Darin Latham e Yani Lim.

O prefeito, porém, está preocupado com a segurança dos participantes do evento e dos manifestantes que irão protestar contra o líder religioso.

O conselheiro municipal de Vancouver, Tim Stevenson, coordenou a reunião por ser a primeira pessoa abertamente gay que ordenada pela Igreja Unida do Canadá.

“O tipo de declarações que Graham fez sobre muçulmanos e gays pode realmente inflamar a situação”, garantiu Stevenson que convidou 14 líderes de diversas denominações.

A reunião aconteceu em 10 de fevereiro e os participantes mostraram preocupação com a presença do americano no país, tanto que muitos assinaram uma petição pedindo para que os organizadores do congresso encontrassem um substituto para Graham.

“Os recentes comentários públicos de Franklin Graham comprometem a missão de justiça e amor de Jesus para com todos”, afirma a petição. “Por exemplo, ele disse que todos os muçulmanos deveriam ser banidos dos Estados Unidos porque o Islã é uma ‘religião muito má e perversa’ que está em ‘guerra com o Ocidente cristão'”.

O mesmo grupo ainda acusa Graham de desumanizar a comunidade LGBT, dizendo que ele “pede que os gays não sejam autorizados a entrar em igrejas ou serem convidados para lares cristãos”.

SEU COMENTÁRIO