Filha de Eduardo Cunha quer ajuda da igreja para se eleger

Danielle Cunha teria buscado apoio de pastores da Assembleia de Deus para concorrer a uma vaga na Câmara dos Deputados.

19-03-2018 | Atualizada em 19/03/2018 11:17

Filha de Eduardo Cunha pede ajuda para se eleger.

Danielle Cunha e o ex-deputado Eduardo Cunha.

De acordo com o blog Radar Online, da revista Veja, a filha do primeiro casamento do deputado cassado Eduardo Cunha estaria buscando apoio de pastores da Assembleia de Deus para tentar se eleger para uma vaga na Câmara dos Deputados. Danielle Dytz da Cunha teria se filiado ao MDB e, seguindo os passos do pai, mira o voto evangélico.

Apesar de o blog não informar, é possível que ela tenha buscado apoio da Assembleia de Deus Ministério de Madureira, igreja presidida no Rio de Janeiro pelo bispo Abner Ferreira. Danielle já teria recebido autorização para visitar templos da igreja no Rio de Janeiro, onde deverá buscar votos para se eleger.

Em 2015, durante investigações da Operação Lava Jato, o ex-deputado Eduardo Cunha foi denunciado pela Procuradoria Geral da República (PGR) por ter recebido pelo menos R$ 250 mil em propinas por intermédio da Igreja Evangélica Assembleia de Deus Ministério de Madureira.

Na época das investigações, os líderes da Assembleia de Deus de Madureira foram citados, pois teriam proximidade com o denunciado e Eduardo Cunha era muito intimo dos irmãos Samuel de Cássio Ferreira, presidente nacional da denominação e, o presidente do Rio de Janeiro, Abner de Cássio Ferreira.

A denúncia encaminhada ao Supremo Tribunal Federal (STF) dizia que Eduardo Cunha intermediou o repasse de propina através do lobista Júlio Camargo a uma conta da Assembleia de Deus Ministério de Madureira, sendo que o ex-deputado chegou a se declarar membro da denominação evangélica do Rio de Janeiro.

Membros da Assembleia de Deus Ministério de Madureira criticam a postura dos líderes da igreja, pois estão sempre envolvidos com políticos de caráter duvidoso e utilizam a estrutura da denominação para conseguir influencia política.

Investigada

A filha do ex-deputado Eduardo Cunha foi investigada no ano passado pela força tarefa da Lava Jato pela posse de um cartão de crédito estrangeiro, associado à offshore Köpek, que teria sido usada por Cunha para receber recursos ilícitos como parte de um esquema de corrupção envolvendo a Petrobrás.

Em sua defesa a publicitária disse que não tinha conhecimento sobre o porquê seu pai lhe deu um cartão de crédito internacional no período em que ela morou no exterior.

SEU COMENTÁRIO