Evangelistas são presos e multados por pregarem que “só Jesus salva”

Confrontados por muçulmanos durante evangelismo por dizerem que “só Jesus salva” evangelistas acabaram sendo presos e multados.

06-03-2017 | Atualizada em 06/03/2017 19:40

Evangelista sendo levado pela polícia por dizer que "só Jesus salva".

A justiça de Bristol condenou dois homens que estavam evangelizando nas ruas da cidade, localizada na Inglaterra, entregando folhetos que dizia que só Jesus salva.

O caso aconteceu em julho do ano passado, e levou Michael Overd, de 52 anos, e o norte-americano Michael Stockwell, 50 anos, diretamente para a prisão por conta de uma discussão acalorada com um grupo de muçulmanos.

Segundo informações da BBC, os pregadores foram interpelados por várias pessoas, inclusive alguns muçulmanos e chegaram a dizer que Allah não existia e que todos os muçulmanos iriam “queimar no inferno”.


Programa Teologia Para Todos faz sucesso na internet com Curso Livre de Bacharel em Teologia Online


Com essas palavras, os evangelistas foram denunciados e a polícia chegou para levá-los à delegacia onde prestaram depoimento.

Um processo contra os dois homens foi instaurado e, na semana passada, o Tribunal de Magistrados de Bristol julgou o caso e condenou os acusados a pagarem multa de 300 libras esterlinas cada (cerca de R$ 1.200) além de arcarem com os custos judiciais do processo que somam 3.372 libras esterlinas (cerca de R$12.600).

O julgamento durou quatro dias e o promotor do caso, Ian Jackson, argumentou que os evangelistas não deveriam anunciar que “Jesus é o único caminho para Deus”, pois para ele “isso  não pode ser verdade”.

A defesa dos evangelistas argumentava que eles exerciam sua liberdade religiosa e falavam apenas o que estava na Bíblia. Michael Stockwell chegou a citar o versículo onde Jesus afirma: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida, ninguém vai ao Pai a não ser por mim”. Ele ministrava para que as pessoas não dependessem apenas de suas religiões para irem para o céu.

Mas para o promotor os evangelistas não tinham o direito de problema o “que acreditam ser verdade”, pois para ele o conteúdo pregado era “homofóbico” e “islamofóbico”.

Jesus salva

A ONG Christian Concern, que defendeu os evangelistas no caso, irá recorrer da sentença. O advogado  Michael Phillips chamou a acusação de “um julgamento moderno de heresia – disfarçado de um caso de ordem pública”.

A decisão do tribunal também foi criticada pela líder do Centro Legal Cristão, Andrea Williams, que descorda da forma como o promotor cita a Bíblia como um livro com “discurso de ódio”.

“A Bíblia e seus ensinamentos são o alicerce de nossa sociedade e proporcionam muitas das liberdades e proteções que ainda desfrutamos hoje”, disse ela. “Portanto, é  inacreditável que a acusação, falando em nome do Estado, possa dizer que a Bíblia contém palavras abusivas que, ao serem anunciadas em público, constituem uma ofensa criminal”, completou. Com informações de BBC.

SEU COMENTÁRIO