Donald Trump promete ser o maior representante dos cristãos

O presidente eleito dos Estados Unidos comentou sobre a liberdade religiosa no mundo e quer ajudar cristãos perseguidos.

29-12-2016 | Atualizada em 29/12/2016 18:37

Donald Trump, presidente eleito nos Estados Unidos.

Em uma entrevista antes das eleições americanas, o então candidato Donald Trump afirmou que pretende ser o maior representante dos cristãos dos últimos tempos.

Respondendo as perguntas do “The Brody File”, Trump conversou sobre a liberdade religiosa no mundo e se comprometeu em ajudar os cristãos perseguidos.

Ele citou o caso que tomou conhecimento durante suas visitas em Iowa, um cristão sírio não pode entrar nos Estados Unidos enquanto que um muçulmano poderia entrar a qualquer momento.


Curso Livre de Bacharel em Teologia 100% a Distância e Sem Mensalidades.


“Temos cristãos sendo decapitados em todo o mundo pelo Estado Islâmico. Na Síria e no Iraque, em particular, aqueles cristãos não podem entrar neste país”, reclamou o empresário.

“Os cristãos estão sendo tratados horrivelmente porque não temos ninguém para representar os cristãos”, disse ele reclamando da falta de liberdade e da liberdade religiosa. “Se eu ganhar serei o maior representante dos cristãos dos últimos tempos”.

Nessa mesma entrevista Donald Trump revelou que é protestante e membro da Igreja Presbiteriana. “E sou protestante. Sou presbiteriano. A maioria das pessoas não sabem disso, elas não tê ideia”, afirmou.

Trump promete proteger Israel

Como cristão, Donald Trump também prometeu proteger Israel. Sua proposta mais polêmica é aceitar Jerusalém como a capital do país.

Tel Aviv é a cidade reconhecida internacionalmente como a capital israelense por conta de uma série de fatores, inclusive as disputas constantes com a Palestina que reivindica uma parte da cidade.

Trump, porém, já deixou avisado que uma das suas primeiras medidas será transferir a embaixada americana de Tel Aviv para Jerusalém, cidade que ele reconhece como indivisível, desconsiderando o pedido da ONU pela divisão de Jerusalém.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, está confiante de que Trump irá cumprir essa promessa e fica feliz em saber que contará com o apoio dos Estados Unidos, algo que ele não conseguiu durante o governo de Barak Obama.

Mas para a Palestina tal declaração é uma ameaça que deverá ser combatida. O representante da Palestina na ONU, Riyad Mansour, já ameaçou que tornará a vida “miserável” para os Estados Unidos se de fato a embaixada americana seja instalada em Jerusalém.

SEU COMENTÁRIO