Donald Trump promete aceitar Jerusalém como capital de Israel

O presidente recém eleito nos Estados Unidos quer transferir embaixada americana para Jerusalém, reconhecendo cidade como capital de Israel.

20-12-2016 | Atualizada em 20/12/2016 14:28

Donald Trump, presidente eleito nos Estados Unidos.

Uma das prioridades do governo de Donald Trump, que irá assumir a presidência dos Estados Unidos em 20 de janeiro, é reconhecer Jerusalém como a capital indivisível de Israel.

Em entrevista a um programa de rádio Kellyane Conway, uma das assessoras da equipe de transição do governo americano, afirmou que essa será uma das principais medidas do novo presidente.

“Essa é uma grande prioridade para o presidente eleito. Ele deixou muito claro durante a campanha”, disse ela revelando que a embaixada norte-americana deixará Tel Aviv, cidade reconhecida internacionalmente como a capital de Israel, para Jerusalém.


Curso Livre de Bacharel em Teologia 100% a Distância e Sem Mensalidades.


“É algo que nosso amigo Israel, um grande amigo no Oriente Médio, apreciaria. E algo que muitos judeus americanos se expressaram a favor. É um grande passo. Parece um movimento fácil de fazer”, afirmou Conway.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, está confiante que Trump irá realizar suas promessas. “Conheço muito bem Donald Trump. Acredito que sua atitude, seu apoio a Israel está claro. Ele tem sentimentos muito claros sobre um Estado judeu, sobre as pessoas judaicas, não há dúvidas sobre isso”, afirmou ele em entrevista à rede CBS.

Trump já se mostrou a favor de Israel e contra a Palestina diversas vezes, tanto que já cogitou colocar seu genro, o judeu ortodoxo Jared Kushner para assumir um posto de primeiro escalão em 2017. Ele acredita que seu genro pode “fazer a paz no Oriente Médio”.

Guerra contra Israel

Mas a decisão do republicano faz com que o clima no Oriente Médio fique ainda mais tenso com o Irã ameaçando atacar o país judeu.

O representante da Palestina na ONU, Riyad Mansour, já ameaçou que tornará a vida “miserável” para os Estados Unidos se de fato a embaixada americana seja instalada em Jerusalém, uma vez que eles disputam a cidade.

O Irã, ums dos maiores inimigos de Israel, também ameaça Trump com medo que ele suspenda o pacto nuclear que foi assinado em 2015 pelo presidente Barack Obama.

Na campanha eleitoral, Trump deixou claro que é contra o pacto nuclear que ele chamou de “desastre” e de “pior acordo já negociado”.

“Os inimigos podem querer impor uma guerra contra nós com base em dados falsos e só levando em consideração sua capacidade material. Pois essa guerra significaria a destruição do regime sionista [Israel], engoliria toda a região e pode levar a uma guerra mundial”, sublinhou o ministro iraniano Hossein Dehghan.

SEU COMENTÁRIO